Melhores Comunicações Orais

C006ID: 2463755 - 2014-11-19
TítuloResultados a longo prazo do transplante sequencial por hepatocarcinoma utilizando a técnica de ?duplo piggy-back? ? Uma experiência de 13 ...
AutoresHugo Pinto Marques, Vasco Ribeiro, Tânia Almeida, Sílvia Silva, João Aniceto, Mafalda Sobral, Élia Mateus, Américo Martins, Eduardo Barroso
HospitalCentro Hospitalar Lisboa Central

Objectivo/Introdução
Os resultados a longo prazo do transplante hepático (TH) com a técnica de "duplo piggy-back" estão pouco estudados no hepatocarcinoma (CHC). Analisamos os resultados comparativamente ao transplante cadavérico.

Material e Métodos
Entre Janeiro de 2001 e Janeiro de 2014, 260 doentes submetidos a TH por CHC foram analisados a partir de uma base prospectiva. Destes, 114 foram submetidos a TH sequencial. A comparação entre grupos foi feita utilizando "propensity score matching".

Resultados
A sobrevivência global aos 3 e 5 anos foi de 63% e 58% respectivamente. Doentes com mais de 50 anos tiveram maior probabilidade de receber um fígado de PAF (OR 1,94, CI 1.02-3.69). Em análise multivariável, a infecção por VHC (HR 1.560, CI 1.03 - 2.38), o número de tumores (HR 1.15, CI 1.01 - 1.31), o tamanho do maior tumor (HR 1.08, CI 1.02 - 1.16) e a invasão microvascular (HR 2.39, CI 1.45 - 3.93) influenciaram negativamente a sobrevivência. Após ajustar para potenciais variáveis de confundimento, o transplante sequencial e o cadavérico tiveram uma sobrevivência aos 5 anos semelhante (p=1.17). Com um período mínimo livre de doença de 6 anos, em 13 doentes (11,4%) houve recidiva da Polineuropatia Amiloidótica Familiar (PAF).

C006ID: 2080799 - 2015-11-16
TítuloCIRURGIA DE METÁSTASES HEPÁTICAS NO CANCRO COLORECTAL: EXPERIÊNCIA DE 3 ANOS
AutoresMarta Santos (1), Filipa Silva (2), Cátia da Cunha (1), Francisco Branco (3), Paulo Oliveira (1), Pedro Amado (1), José António Pereira (1), Rita Garrido (1), Rui Maio (1)
HospitalHospital Beatriz Ângelo

Objectivo/Introdução
Cerca de 25% dos doentes com cancro colorectal(CCR) apresentam metástases à data do diagnóstico e 50% irão desenvolve-las ao longo da doença .A ressecção das metástases hepáticas(MH) é o único tratamento potencialmente curativo.

Material e Métodos
Estudo observacional e retrospetivo de doentes com CCR submetidos a ressecção de MH entre Ag2012 e Abr2015,com seguimento mínimo de 6 meses após cirurgia. Procedeu-se à caracterização da população, análise de sobrevivência livre de progressão(TTP) e sobrevivência global(SG).

Resultados
Dos 43 doentes, 14(33%) do sexo masculino, mediana de idade 68 anos. 17(40%) tumores do recto,15(35%) do cólon esquerdo e 11(26%) do direito. A maioria das MH eram síncronas (56%) e bilaterais (58%).Nos casos de apresentação síncrona a estratégica cirúrgica foi síncrona em 13(54%),clássica em 6(25%), iterativa em 4(16%) e inversa em 1(4%), com ressecção R0 em 37(86%) doentes. As MH metácronas detectaram-se em mediana 17 meses após o diagnóstico. Registaram-se 15 casos de morbilidade e 1 de mortalidade cirúrgicas. Observou-se recidiva hepática em 11 doentes e a média de TTP hepática foi 27 meses. A mediana de TTP (hepática e extra-hepática) após a 1ª metastasectomia foi de 26 meses. O FU mediano foi 23 meses com estimativa de SG de 81%.

C017ID: 1934467 - 2014-11-20
TítuloInfluência da infecção peri-operatória nos resultados a curto prazo da cirurgia por colangiocarcinoma hilar
AutoresSílvia Gomes da Silva; Hugo Pinto Marques; Raquel Mega; João Santos Coelho; Américo Martins; Eduardo Barroso
HospitalCentro Hospitalar Lisboa Central

Objectivo/Introdução
A morbi-mortalidade na cirurgia do colangiocarcinoma hilar (CH) continua a representar um problema significativo. Os autores propõem-se analisar o impacto da infecção neste contexto.

Material e Métodos
Análise retrospectiva dos doentes operados por CH, no nosso centro. Análise estatística com SPSS 19.0.

Resultados
Entre Janeiro 2004 e Dezembro de 2013 foram operados 147 doentes por CH. Em 110 foi possível realizar uma cirurgia com intuito curativo e em 90 (81,8%) foi feita drenagem biliar pré-operatória. 90 doentes foram submetidos a ressecção hepática (81,8%). Em 48 (43,6%) doentes a microbiologia era positiva na prótese biliar e em 52 (47,3%) foi isolado pelo menos um agente infeccioso no período peri-operatório. A drenagem biliar aumentou o risco de infecção peri-operatória (OR 4.29, p=0.009). A infecção da prótese biliar associou-se a um aumento de incidência de complicações infecciosas (OR 2.94, p=0.007). A infecção peri-operatória aumentou a incidência de complicações infecciosas (OR 4.56, p<0.001) e da taxa de complicações global (OR 2.21, p=0.043), sem afectar a morbilidade major ou a mortalidade, mas aumentando o tempo total de internamento (de 11.8 + 8.9 para 20.5 + 15.1, p<0.001).

C017ID: 2020663 - 2015-11-22
TítuloRessecção Pancreática em Idade Extrema: Sim ou Não? Análise de um Centro de Referência
AutoresE. Vigia, A. Nobre, L. Bicho, E. Filipe, J. Paulino, H. Marques, R. Ribeiro, P. Marcelino, A. Martins, E. Barroso
HospitalCentro Hospitalar Lisboa Central

Objectivo/Introdução
A incidência de tumores peripancreáticos tem vindo a aumentar assim como a idade do doente à data do diagnóstico.Neste estudo pretende-se avaliar resultados de 10 anos num centro de referência em patologia pancreática nos doentes >75A e determinar se este factor afecta os resultados nos doentes com adenocarcinoma do pâncreas.

Material e Métodos
Foram avaliados retrospectivamente na base de dados do nosso centro os doentes submetidos a ressecção pancreática entre 2004 e 2013.Constituiram-se dois grupos etários 75A comparando o género, tipo de tumor (Adc) e variáveis relativamente ao peri e pós-operatório que contribuem para a análise da sobrevida.

Resultados
Em 471 ressecções, 146 foram por Adc do pâncreas (82 DPC), 108 no grupo 75 A; este apresentou maior taxa de morbilidade pré-operatória traduzido por ASA>=III (47% vs 28%, p=0,0001), mais tempo em UCI (7 vs 3d, p=0,025), de internamento (18 vs 9,5d, p=0,019) e mortalidade peri-operatória (5,2 vs 2,7%, p=0,00097). A taxa de reintervenção e de fístula pancreática C foram sobreponíveis. A sobrevida aos 2 anos no grupo >75A é de 37,4% vs 20,4% no grupo < 75A .

C027ID: 1534939 - 2014-11-20
TítuloLaparoscopia por custo mínimo - Estudo prospectivo observacional de 100 colecistectomias consecutivas
AutoresJaime Vilaça, Luís Lencastre, Ana Fonte Boa, Jorge Cabral, Francisco Miranda
HospitalHospital da Arrábida e Cliria

Objectivo/Introdução
A racionalização de recursos e a necessidade de padronização das técnicas para avaliação de resultados, são hoje necessárias para a sustentabilidade e incremento de qualidade da cirurgia.Os objectivos deste trabalho são analisar os resultados clínicos, cumprimento da qualidade dos procedimentos, eventuais riscos e impacto económico.

Material e Métodos
Duas equipas lideradas pelo mesmo cirurgião, realizaram e registaram prospectivamente 100 colecistectomias consecutivas entre 8 de abril e 18 de novembro de 2014. Excluíram-se todos os casos de colecistite aguda em urgência, exploração da via biliar principal por litíase e suspeita de carcinoma da vesícula. Todos os casos foram gravados em vídeo e fotografados os pontos determinantes da cirurgia. Analisaram-se dados demográficos, risco cirúrgico, IMC, história prévia biliar, estudo analítico e ecográfico, cumprimento do protocolo, tempos da cirurgia, identificação de estruturas, pós operatório imediato e na primeira consulta. O estudo estatístico usará o programa SPSS.

Resultados
75% do sexo feminino; idade média de 53,3 anos; IMC 26,87; tempo cirúrgico médio 39 min; tempo médio de laqueação do hilo 7 min; protocolo totalmente cumprido a "custo mínimo" em 93% dos casos; internamento menor do que 23 horas em 100%; uma infecção de ferida operatória; nenhuma conversão para laparotomia; nenhuma complicação major;

C027ID: 1280464 - 2015-11-22
TítuloCarcinoma Hepatocelular com mais de 10cm: Devemos investir?
AutoresSílvia Gomes da Silva; Hugo Pinto Marques; Andreia Curto; Dinis Mateus; Fernando Pessoa; Ana Marta Nobre; Raquel Mega; João Santos Coelho; Américo Martins; Eduardo Barroso
HospitalCentro Hospitalar Lisboa Central

Objectivo/Introdução
O tratamento cirúrgico do Carcinoma Hepatocelular (CHC) nos estadios avançados continua a representar um desafio. Publicações recentes tem sugerido que tumores de grandes dimensões, especialmente únicos, tem sobrevidas comparáveis aos de menor tamanho. Os autores propõem-se analisar o impacto da ressecção cirúrgica de CHC maiores que 10cm na sobrevida a curto e longo prazo

Material e Métodos
Análise retrospectiva dos doentes operados por CHC. Análise estatística com easyR

Resultados
De 2003 a 2014 foram submetidos a ressecção hepática por CHC 144 doentes. Destes, 46 apresentavam diâmetro tumoral superior a 10cm, dos quais 88% com nódulo único. Em todos foi realizada ressecção com intuito curativo, tendo sido necessária ressecção major em 83%. A morbilidade major foi 7% e a mortalidade 7%. A sobrevida global neste grupo foi 81,5% e sobrevida livre de doença 25,3%, aos 5 anos. A sobrevivência no grupo com nódulo único foi 85,3% e 53,3% para dois ou mais nódulos. Em analise univariável, a sobrevivência foi influenciada pela presença de cirrose, CHILD-PUGH, MELD e invasão macrovascular. Em análise multivariável apenas a presença de cirrose influenciou a sobrevivência (HR 10.44;CI95%1.7-65.5;p=0.01)

C039ID: 1284834 - 2014-11-20
TítuloA abordagem trimodal no tratamento do cancro do esófago ? estudo retrospectivo
AutoresDiogo Carrola Gomes(2), Caldeira Fradique(1), Luísa Quaresma(1), Guedes Da Silva(1), Mário Oliveira(1), Lígia Costa(1), Gualdino Silva(1), Alexandra Pupo(1), Jorge Esteves(1), Mateus Marques(1), Fernanda Cabrita(1), Gonçalo Fernandez(1), Filomena Pina(1),
HospitalCentro Hospitalar Lisboa Central

Objectivo/Introdução
O cancro do esófago é uma das doenças oncológicas com pior prognóstico. A quimio-radioterapia (QRT) neoadjuvante pode melhorar a sobrevida através do controlo loco-regional e prevenção das micrometástases. São apresentados os resultados de uma Unidade Funcional (UF) Multidisciplinar institucional.

Material e Métodos
Foram revistos 32 doentes consecutivos, operados até 30/09/2014 após QRT neoadjuvante. Os doentes foram avaliados e acompanhados em todas as fases do diagnóstico e terapêutica no âmbito da UF. Caracterizaram-se os seguintes parâmetros: localização do tumor, tipo histológico, estadio TNM, via de abordagem, resposta histológica (rP), nº de gânglios ressecados/metastizados, mortalidade e sobrevida.

Resultados
Predominavam os tumores do terço distal (66%), os CPC (72%) e o estadio III (75%). A via de abordagem preferencial foi a de Ivor-Lewis (78%). Foram ressecados em média 19,7 gânglios por doente. Verificou-se metastização ganglionar em 41% dos doentes. Foi obtida cirurgia R0 em 91% dos doentes. Houve resposta positiva à QRT neoadjuvante em 78%, com 22% de rP completa. A mortalidade a 30 dias foi de 13% e a sobrevida a 3 e 5 anos foi de 34 e 12,5% respectivamente.

C039ID: 2107477 - 2015-11-17
TítuloGastrectomia radical em doentes com idade superior a 75 anos
AutoresPatrícia Lages, Cláudia Pereira, Rui Esteves, Nilza Gonçalves, Daizy Abreu, Paulo Costa
HospitalCentro Hospitalar de Lisboa Norte, EPE

Objectivo/Introdução
A decisão multidisciplinar oncológica nas idades mais avançadas é frequentemente no sentido de a cirurgia ser a primeira/única proposta terapêutica.A intenção foi comparar o impacto na sobrevida ligado ao tipo de linfadenectomia nos doentes com idade>75 anos.

Material e Métodos
Estudo retrospectivo.232 doentes-ca gástrico operados até 2012,recuo mínimo de 2,5a.GrupoI-n=78,>75a;Grupo II-n=154,

Resultados
GrupoI:D0-1(22),D1+(25),D2(31).T1-2(30),T3(21),T4(27).N0(34).nR=6(11).Grupo II:D0-1(34),D1+(43),D2(77).T1-2(56),T3(56),T4(42).N0(62).nR=6(34).Sobrevida global(SG) foi significativamente menor no Grupo I (p0,05).nR>=6 com impacto significativo na SG em 34 doentes do Grupo II,(p

C053ID: 1849697 - 2014-11-22
TítuloManagement of esophageal perforation: validation of a severity score
AutoresM Aral (1,2), P Salvador (1), J Barbosa (1,2), H Santos-Sousa (1,2), J Costa-Maia (2)
HospitalUniversity of Porto Medical School

Objectivo/Introdução
The Pittsburgh group has suggested a perforation severity score (PSS) for better decision-making in the management of esophageal perforation (EP). The aim of this study was to analyze the usefulness of the Pittsburgh PSS in an independent study population.

Material e Métodos
Analysis of a prospective database with cases of EP treated in an Upper GI Surgery Unit. The study period was 1991-2014. The PSS (range 0-18) was established using 10 clinical variables; points 1= age>75, tachycardia, leukocytosis, pleural effusion; 2= fever, noncontained leak, respiratory compromise, time to diagnosis >24h; and 3= presence of cancer, hypotension.

Resultados
The study comprises a total of 71 patients. Etiology was spontaneous (Boerhaave), iatrogenic (instrumentation) and traumatic (trauma/foreign body) perforation in 18,3%, 21,1% and 60,6%, respectively. Cancer was present in 7 cases. Operative treatment (77,5%) was more common than non-operative management. Morbidity and mortality were 40,8% and 15,5%. The mean PSS was 4,46. PSS was significantly higher in patients with fatal outcome (7,36 vs 3,93; p=0,009) and in morbidity cases (6,55 vs 3,02; p<0,001). Moreover PSS was significantly higher in operative cases (5,13 vs 2,19; p<0,001). The ROC curves for PSS showed a good prediction of morbidity (AUC=0,801;p<0,001) and mortality (AUC=0,745;p=0,01).

C053ID: 2662704 - 2015-11-15
TítuloTumores da junção esofagogástrica: avaliação de resultados
AutoresPedro Martins, Helena Pereira, Ana Mesquita, Cátia Ribeiro, Alexandre Sousa, Ana Ferreira, José Carlos, Abreu de Sousa
HospitalInstituto Português Oncologia do Porto Francisco Gentil, EPE

Objectivo/Introdução
Devido à sua localização limite, a escolha da estratégia terapêutica para os doentes com tumores da junção esofagogástrica (TJEG) é controversa. Os autores propõem-se a fazer uma revisao dos resultados do tratamento destes tumores na instituição.

Material e Métodos
Estudo retrospectivo. Foram revistos os doentes admitidos por TJEG entre 2009-2011.

Resultados
Incluídos 152 doentes. A idade média foi de 66 anos com predomínio do género masculino (82%). De acordo com a classificação de Siewert, 40 eram em tipo 1, 36 tipo 2 e 70 tipo 3. Na amostra, 41% dos doentes (n=63) eram estadio IV ao diagnóstico. Dos restantes estadios (n=89), 54% eram localmente avançados, dos quais 31% (n=28) realizaram tratamento neoadjuvante. O tipo de abordagem preferencial dos TJEG tipo 2 e 3 foi a gastrectomia total e do tipo 1 a esofagectomia tipo McKeown. No subgrupo submetido a resseção (n=60) a morbilidade pós-operatória CTCAE 3/4 foi de 20% e a mortalidade intra-hospitalar foi de 5%. A sobrevivência global (SG) aos 5 anos foi de 14% e a sobrevivência livre de doença (SLD) de 14%. Nos doentes submetidos a resseção cirúrgica, a SG aos 5 anos foi de 34 % e a SLD 34%. A SG aos 5 anos tendo em conta a classificação de Siewert foi de 50%, 33% e 34% (tipo 1, 2 e 3).

C066ID: 3287173 - 2014-11-18
TítuloIleostomia fantasma
AutoresSofia Jardim Neves, Miguel Semião, Tobias Teles, Rui Cunha, Manuela Gomes, João Casteleiro
HospitalCentro Hospitalar Cova da Beira, EPE

Objectivo/Introdução
As deiscências das anastomoses colorrectais constituem um grande desafio para o cirurgião, sendo responsáveis por um aumento da morbilidade e mortalidade pós-operatória.O tratamento depende da gravidade associada,podendo ser conservador, minimamente invasivo ou re-intervenção cirúrgica de urgência. Existe controvérsia quanto à realização ou não do estoma de proteção da anastomose, sendo mais consensual o seu uso perante a constatação de deiscência no intra ou pós-operatório. O estoma acarreta morbilidade e mortalidade associadas à sua presença e encerramento.

Material e Métodos
Pretende-se descrever a nossa experiência com o uso da ileostomia fantasma na resseção anterior do reto baixa ou com risco aumentado de deiscência. Foram incluídos todos os doentes submetidos a ressecção anterior do reto por neoplasia do reto de Novembro 2012 a Setembro 2014.A amostra foi agrupada em doentes com ileostomia fantasma e com ileostomia ad inicium.Pretende-se comparar as complicações decorrentes em ambos os grupos no pós-operatório, a morbilidade e mortalidade associadas, o tempo de internamento e as complicações detectadas no seguimento dos dois grupos.

C066ID: 2410338 - 2015-11-15
TítuloTeste de patência e integridade de anastomose Colo-rectal ? Uma visão diferente Experiência de um ano
AutoresCunha M., Veiga D., Melo J., Hugo V., Rachadell J., Amorim E., Americano M.
HospitalCentro Hospitalar do Algarve, EPE

Objectivo/Introdução
A deiscência da anastomose é a complicação mais temida na cirurgia colo-rectal. Existem múltiplos testes de patência da mesma realizados intra-operatoriamente. O teste realizado no nosso trabalho consiste na colocação de trocar de laparoscopia no canal anal, criando o respectivo pneumo-recto. Utilizada ótica de laparoscopia, para visualização direta da anastomose, enquanto esta se encontra imersa em soro.

Material e Métodos
Estudo prospectivo, observacional. Avaliação da anastomose em doentes submetidos a cirurgia colo-rectal de Janeiro a Dezembro 2015

Resultados
Foram submetidos a este teste 26 doentes. Em 11,5% (n=3) a técnica não foi exequível, por dificuldades de visualização. Em 15,4% (n=4) verificaram-se alterações macroscópicas da anastomose, 3 casos de hemorragia minor e 1 caso deiscência. A taxa de complicações major ( Clavien-Dindo > 3) foi de 15,4 % (n=4), correspondendo a 2 casos de complicação médica, 1 caso de evisceração e 1 caso de deiscência, que corresponde a um dos casos em que a técnica não foi exequível. Não existiram complicações grau V na amostra referida.

C076ID: 1510082 - 2014-11-18
TítuloIMPACTO ONCOLÓGICO DA FISTULA ANASTOMÓTICA APÓS RESSECÇÃO CURATIVA DE CANCRO DO RECTO
AutoresAlexandre Monteiro, Júlio Leite, Marco Serôdio, Fernando Azevedo, Francisco Castro Sousa
HospitalCentro Hospitalar e Universitário de Coimbra, EPE

Objectivo/Introdução
A fistula anastomótica é a principal complicação major da ressecção cirúrgica curativa nos doentes com cancro do recto, aumentando a morbi-mortalidade e a taxa de reintervenções cirúrgicas. O agravamento do prognóstico oncológico nestes doentes é ainda controverso. Pretende-se analisar eventuais factores preditivos de fístula anastomótica e avaliar o seu impacto oncológico.

Material e Métodos
Análise retrospectiva dos doentes operados entre Jul 99 e Dez 12, estudando-se múltiplos factores implicados no aparecimento de fistula anast., recidiva local e à distância. Na análise estatística usaram-se os testes X2, t test; modelos de regressão logística e de regres. de Cox, método de Kaplan-Meyer (curvas de sobrevida) e cálculo dos odds ratios e 95%CI.

Resultados
Foram operados 222 doentes; ocorreu fistula anastomótica em 24 (10.8%), recidiva local em 14 e à distância em 54 doentes. Aos 5 anos, Tx de sobrevida global: 70.5% e livre de doença: 65%. Na análise dos factores preditivos de fistulização, nenhum foi seleccionado; na recidiva local, os factores preditivos foram a excisão adequada do mesorecto e as margens circunferenciais da peça; na recidiva à distância, foram a QT adjuvante e a ocorrência de recidiva local.

C076ID: 1700269 - 2015-11-15
TítuloCirurgia transanal minimamente invasiva por GelPoint Path® ? a nossa experiência
AutoresFabiana Sousa, Alexandre Duarte, Cristina Fernandes, Marina Morais, Mariana Pais, Pedro Correia da Silva, José Costa Maia
HospitalCentro Hospitalar de São João, EPE

Objectivo/Introdução
A cirurgia transanal minimamente invasiva com recurso a pneumorrecto assumiu um papel relevante na exérese de lesões não passíveis de ressecção endoscópica e/ou com diagnóstico de malignidade.

Material e Métodos
Os autores apresentam a sua experiência com a utilização do GelPOINT Path na ressecção de lesões do recto entre Julho de 2013 e Outubro de 2015. Intervencionados 9 doentes, 4 mulheres e 5 homens, com idades entre 48 e 90 anos (média de 75 anos) e classificação ASA II-III. Em 2 doentes o diagnóstico pré-operatório foi de carcinoma invasor. O diâmetro crâneo-caudal variou entre 2.2 e 8cm (média 3.99cm), com extensão circunferencial entre 33-100% e distância à margem anal entre 5 e 10cm (média 6.89cm).

Resultados
Em nenhum houve conversão da abordagem cirúrgica. Em 2 deles não foi possível avaliar histologicamente as margens de ressecção por fragmentação da amostra. A histologia da peça operatória de 2 doentes mostrou sinais de malignidade. O tempo de internamento variou entre 2 e 5 dias. Registada apenas uma complicação - deiscência parcial da parede posterior, tratada conservadoramente. O estadiamento histológico definitivo não indicou a realização de terapêutica adjuvante em nenhum dos casos.

C089ID: 1970363 - 2014-11-20
TítuloNódulo da tiroide categoria Bethesda III ? Poderão os achados semiológicos e ecográficos ser preditores de malignidade?
AutoresManuel A.V. Ferreira; Helena Devesa; Barbara Lima; Aires Martins; Álvaro Gonçalves; Francisco Fazeres; Irene Leitão; Alberto Midões
HospitalUnidade Local de Saúde do Alto Minho, EPE

Objectivo/Introdução
O sistema Bethesda agrupa citologias da tiroide em 6 categorias, associando risco de malignidade e orientação terapêutica. 7% das citologias são Bethesda III (BIII)-atipia de significado indeterminado, não sendo consensual a orientação correta deste grupo Existem estudos sobre dados ecográficos para prever malignidade, no entanto, a maioria é prévia à classificação Bethesda e poucos focam o grupo III O presente trabalho pretende analisar o valor da ecografia e dados semiológicos na previsão de malignidade de nódulos BIII

Material e Métodos
Estudo retrospetivo. Recolha de dados semiológicos e ecográficos dos casos BIII de Janeiro de 2011 a Agosto de 2014. Os nódulos foram agrupados em 3categorias de risco ecográficas baseadas no algoritmo TIRADs As variáveis categóricas foram estudadas com o teste Chi-quadrado/Fisher, as variáveis contínuas com o t teste independente e as categorias de risco ecográfico com uma regressão logística

Resultados
Incluídos 38doentes (média de 51anos) com 21 taxa de malignidade. A análise univariada revelou como preditores de malignidade o contorno e calcificações(p

C089ID: 1368820 - 2015-11-13
TítuloA úlcera de perna na drepanocitose ? análise de uma série
AutoresSofia Pina, Rita Ramos Pinheiro, Margarida Moura Valejo Coelho, Daniela Cavadas, Ana Formiga, José Neves
HospitalCentro Hospitalar Lisboa Central

Objectivo/Introdução
A úlcera de perna (UP) é uma patologia que afeta cerca de 1% da população adulta, maioritariamente idosa, sendo responsável por elevados custos sócio-económicos e com impacto altamente negativo na qualidade de vida do doente. As causas de UP são muito variadas. A etiologia vascular é a mais frequente representando 80-90% dos casos. Entre as causas menos frequentes está a drepanocitose.

Material e Métodos
Revisão de uma série de casos de doentes com UP e drepanocitose recentemente tratados. Análise retrospetiva dos seguintes parâmetros da casuística: antropologia, evolução da ferida, tempo de cicatrização, tempo de internamento quando necessário e taxa de recidiva.

Resultados
A UP nos doentes com drepanocitose é uma entidade relativamente frequente cujo mecanismo fisiopatológico não está completamente estabelecido. São úlceras que tendem para a cronicidade o que as predispõe à infeção, muitas vezes por agentes multirresistentes, obrigando a internamento. São habitualmente muito dolorosas e recidivantes. O estudo bacteriológico do leito da úlcera é obrigatório se a úlcera for exsudativa.

C104ID: 5555487 - 2014-11-19
TítuloNIS, Iodo-131 e colangiocarcinoma, um curioso triângulo.
AutoresA Fernandes1,2; AF Brito1,3; AM Abrantes1; AC Ribeiro1; AC Gonçalves5; AB Sarmento-Ribeiro5; JG Tralhão1,5; MF Botelho1,2; F Castro-Sousa5
HospitalCentro Hospitalar e Universitário de Coimbra, EPE

Objectivo/Introdução
Estudos recentes evidenciaram uma expressão aumentada da bomba de sódio e iodo (NIS) no colangiocarcinoma (CC), abrindo portas para uma nova abordagem terapêutica para este tipo de tumor. O objetivo deste trabalho foi avaliar a eficácia terapêutica da radioterapia metabólica com 131I em duas linhas celulares humanas, uma de CC (TFK1) e uma de colangiócitos (H69).

Material e Métodos
Por imunofluorescência avaliou-se a expressão de NIS nas duas linhas celulares. Ambas as linhas celulares foram irradiadas com 131I de modo a avaliar o efeito na sobrevivência celular através do ensaio clonogénico. Por citometria de fluxo avaliou-se o efeito do 131I nas células TFK1, na viabilidade celular e na expressão de BAX, BCL2 e citocromo C.

Resultados
Verificou-se que as duas linhas celulares expressam NIS e que após a irradiação com 131I, a expressão membranar de NIS aumenta nas células TFK1 e diminui nas H69. A irradiação com 131I induziu um decréscimo na sobrevivência celular dependente da dose nas células TFK1, não afetando a sobrevivência celular das células H69. O tratamento com 131I induziu morte celular por apoptose nas células TFK1 através do aumento da razão BAX/BCL2 e da libertação de citocromo c.

C104ID: 4842033 - 2015-11-16
TítuloESVAZIAMENTO CERVICAL NO CARCINOMA DIFERENCIADO DA TIRÓIDE: OS NOSSOS RESULTADOS
AutoresDiana Gonçalves, Marina Morais, João Capela-Costa, Luís Sá Vinhas, Luís Matos-Lima, J. Costa-Maia
HospitalCentro Hospitalar de São João, EPE

Objectivo/Introdução
O carcinoma diferenciado da tiróide associa-se a metastização loco-regional até cerca 50% dos casos. O esvaziamento cervical tem um papel preponderante no tratamento, associando-se a aumento da morbilidade.

Material e Métodos
Analisados retrospectivamente 84 doentes submetidos a 102 esvaziamentos cervicais entre Janeiro.2005 e Dezembro.2014. Recolheram-se dados cirúrgicos, características patológicas e complicações.

Resultados
A idade média dos doentes foi de 50 anos e 73% pertenciam ao sexo feminino. Efectuaram-se 55 esvaziamentos radicais modificados, 30 dos quais associados a tiroidectomia total e esvaziamento central e ainda 18 esvaziamentos selectivos, entre outros. O tipo histológico mais frequente foi o carcinoma papilar clássico (n=58), seguido da sua variante folicular (n=14). O tempo mediano de seguimento foi de 4 anos. Removeram-se, em mediana, 20 gânglios com 4 positivos. Observaram-se 11 recidivas após o primeiro esvaziamento, 7 das quais num compartimento diferente do inicial. Nestes doentes, foram constatadas 4 persistências bioquímicas da doença e cura em 7 doentes (5 submetidos a re-esvaziamento e 2 a terapêutica com iodo radioactivo). Verificou-se metastização à distância em apenas 1 doente. Registaram-se 2 complicações definitivas (2,4%): disfonia por lesão do nervo recorrente (por invasão tumoral e outra iatrogénica).

C112ID: 2532269 - 2014-11-02
TítuloRM e carcinoma lobular invasor: actualização
AutoresMarina Morais, André Pinho, André T. Magalhães, Ana Sofia Preto, António Cardoso, Isabel Amendoeira, José Luís Fougo, J Costa-Maia
HospitalCentro Hospitalar de São João, EPE

Objectivo/Introdução
Devido ao padrão de crescimento difuso, os carcinoma lobulares invasores (CLI), são mais propensos a diferente tamanho do tumor em mamografia e ecografia (ME) e a multifocalidade e multicentricidade. O objectivo foi determinar a influência da ressonância magnética (RM) na caracterização tumoral e resultados cirúrgicos.

Material e Métodos
Estudo retrospectivo de 70 mulheres diagnosticadas com CLI, entre 1/01/07 e 31/03/14. Foram efectuadas 24 cirurgias conservadoras e 46 mastectomias. Foram avaliados a correlação entre o tamanho do tumor na RM e na histologia final e a alteração da atitude cirúrgica.

Resultados
A RM correlacionou-se melhor que a ME com o tamanho do tumor na histologia (R=0,748 Vs R=0,710; p=0.001). Apenas 75,7% mulheres foram inicialmente propostas para cirurgia conservadora, divididas em 3 grupos, após RM: 1) 9.4% em que a RM não diferiu da ME; 2) 17,0% sobrestimaram o tamanho do tumor - 55,6% submetidas, no final, a mastectomia e a histologia mostrou 1/5(20%) falsos positivos; 3) 69,8% com doença oculta na mesma mama - 54,1% alteraram a estratégia para mastectomia e a histologia revelou 40% falsos positivos.

C112ID: 8284329 - 2015-11-14
TítuloEVISCERAÇÃO APÓS LAPAROTOMIA MEDIANA: FATORES PREDITIVOS DE RE-LAPAROTOMIA
AutoresAires Martins (1), Manuel Ferreira (2), Álvaro Gonçalves (3), Bárbara C. Lima (4), Teresa Almeida (5), Francisco Fazeres (6), Alberto Midões (7)
HospitalUnidade Local de Saúde do Alto Minho, EPE

Objectivo/Introdução
Os autores pretendem estudar a relação de determinados fatores com a ocorrência de evisceração em doentes submetidos a laparotomia mediana. Estudaram-se fatores relacionados com, o doente (género, patologia associada, infeção respiratória, infeção da ferida cirúrgica e estado nutricional, entre outros), a cirurgia (tempo de cirurgia) e o cirurgião (experiencia)

Material e Métodos
Foi efetuado um estudo retrospetivo de caso-controlo através da análise do registo clinico dos 1041 doentes submetidos a laparotomia mediana entre 2011 e 2014. Foi constituído um grupo de 43 doentes (casos) que complicou com evisceração e comparado com um grupo de controlo. Os dados foram posteriormente tratados através de análise estatística utilizando o método de Qui Quadrado de Pearson/Teste de Fisher para a análise univariada e a Regressão Logística para a análise multivariada

Resultados
A taxa de evisceração foi de 4.1%. O género masculino, a presença de doença coronária, a DOPC, a infeção respiratória, a infeção da ferida cirúrgica e o mau estado nutricional do doente estão significativamente associados à ocorrência de evisceração, considerando-se ter um valor preditivo na sua ocorrência, o que conduz a uma diferença estatisticamente significativa (p

C123ID: 1647240 - 2014-10-28
TítuloReconstrução do recorrente - Trabalho experimental
AutoresLuís Silveira
HospitalNenhum

Objectivo/Introdução
A remobilização da corda vocal (cv) aquando da lesão per-operatória do recorrente não tem sido bem sucedida. Objetivo - reconstrução do recorrente de modo a conseguir a mobilização perfeita da cv correspondente. Escolheu-se a cabra, porque o aparelho fonatório é anatómica e funcionalmente idêntico ao do homem.

Material e Métodos
Foram utilizadas nove cabras, Capra hircus, com idade 3-6 anos e peso 32-43 Kg. Seis animais foram incluídos no Grupo I, em que após secção e excisão de cerca de 5 mm de recorrente esquerdo, realizámos a sua reconstrução com interposição de enxerto de veia (colateral da safena) preenchida com músculo da região cervical, e três no Grupo II, em que só era provocado o defeito no nervo. Foram avaliados: movimento das cv (1); da voz (2) em quatro cabras, três do Grupo I e uma do II; na 2ª operação, passados 11 meses, o aspeto macroscópico do enxerto (3) e efetuada a sua colheita para estudo histológico (4).

Resultados
No Grupo I: (1) 83,3% recuperaram os movimentos das cv com perfeição; (2) 100% recuperaram a voz; (3) 100% de enxertos perfeitos; (4) 50% de recuperação do aspeto normal do nervo periférico. No Grupo II: (1) 66% paralisação mediana e uma recuperou a mobilidade da cv; (2) esta cabra teve recuperação pouco consistente da voz; (3) mau aspeto dos enxertos; (4) 0% de regeneração nervosa.

C123ID: 1570758 - 2015-11-14
TítuloInterrupção súbita da Nutrição Parentérica Total. Segura?
AutoresNuno Carvalho1,2, Gisela Marcelino3, Diogo Albergaria1,2, Filipe Borges1 ,Gabriela Machado1, Margarida Ferreira1, Ricardo Souto1 Filipa Eiró1, Mikhail Costa1, Catarina Góis1, Miguel Borges1,2, J Corte-Real1,2
HospitalHospital Garcia de Orta, EPE

Objectivo/Introdução
Introdução A interrupção súbita da NPT (Nutrição Parentérica Total)(ISNPT) pode levar à hipoglicémia. Algumas Sociedades consideram ISNPT segura. Curiosamente os estudos em que se baseiam têm décadas. Outras Sociedades aconselham redução progressiva. Objetivo: Avaliar a segurança da ISNPT, determinar hipoglicémia com significado clínico e potenciais fatores de risco associados.

Material e Métodos
Material/Métodos Estudo prospetivo, 48 doentes não consecutivos. Aprovado pela comissão ética, consentimento informado. NPT mínimo de 5 dias. ISNPT, glicémia por BM Test aos -20, 0, 20, 40 e 60 minutos. O tempo zero coincide com ISNPT. Questionário de hipoglicémia. Hipoglicémia como inferior a 70 mg/ dL. Análise estatística Mann-Whitney e Qui-Quadrado

Resultados
Resultados Homens 62 %, idade mediana de 70 anos. A maioria, 40 %, ASA 3. Mediana de NPT 9,5 dias. Sobreposição com via oral, 3 dias. A maioria patologia colo-rectal, 40 %. Dois casos de hipoglicémia (4%), sem tradução clinica. Não se identificou fator de risco para hipoglicémia.